En este grupo En todos

Grupo de Valores humanos



POR QUE O PODER FREQUENTEMENTE CORROMPE O POLÍTICO?

elza herminia sabino mendes
Odontologia universidade de uberaba
Escrito por Elza Herminia Sabino Mendes Elzaherminia
el 30/04/2010

Convivemos com uma questão crônica no Brasil:a corrupção política. Muitas vezes escolhemos pessoas da mais alta idoneidade para nos representar politicamente e basta que assumam o poder e convivam com as desonestidades comuns para esquecerem todos os seus princípios éticos. Que peso terá o poder sobre a honestidade?

José Gregorio Bolívar
Máster en educación instituto pedagógi...
Escrito por José Gregorio Bolívar
el 15/05/2010

Te explico algo relacionado a la corrupción, es en todas partes, considero que en mi país el problema es del mismo tamaño que en el tuyo, fijate, vivo en Venezuela, tu en Brazil,aparentemente ambos paises no son territorialmente iguales que digamos, pero si tienen algo en común, sus necesidades, esto es atendido por seres humanos que al igual que tu y yo tenemos necesidades, dime tu si en un momento alguno de los dos asume el control de administrar algún bíen necesario para garantizar el confor, más no lo que realmente nos llene a tí ni a mí. No sería correcto que tu siendo la administradora acapares todo o la gran mayoria de esos bienes para tu provecho unico, ¿Sería correcto? , ahí tienes el nacimiento de la bendita CORRUPCIÓN amiga.
Esto en su gran mayoría, para las personas que no piensan en unbien común, es etico; pero negativo. Ahí esta tu honestidad, la honestidad de todos. Considero por lo anterior expuesto que lamentablemente nosotros como seres humanos nos hace falta madurar mucho más, para llegar a ser como un Paulo Freire, un Simón Bolívar, u otro de nuestros heroes clasicos. Allí estaría la honestidad que tu y que yo queremos palpar, esta ahí, pero es intocable.
Un beso mi querida vecina bella.

Elza Herminia Sabino Mendes Elzaherminia
Odontologia universidade de uberaba
Escrito por Elza Herminia Sabino Mendes Elzaherminia
el 15/05/2010

Sim, Amigo Jose Gregório, teremos que conviver indefinidamente com a desonestidade... Ela nos permeia o tempo todo. Hoje nossa Camara de Deputados não votou o que impediria politicos com "ficha suja" se candidatarem. Dizem que não é prioridade. Uma vergonha! Riem e escarnecem com a sociedade que um dia os elegeu. E que lutemos para que jamais nos corrompamos... Tenho medo que um dia a honestidade saia de moda. Grata por seu comentário.

Tere (tana) C. De Gutierrez
Profesorado de historia 3er año carre...
Escrito por Tere (tana) C. De Gutierrez
el 15/06/2010

Olá Elza, li no diário a Nação algo sobre isso " No grupo que exerce o poder se estabelece um laço social perverso que, desde acima, contamina ao resto da sociedade. Ao fazer de sua vontade a lei, a culpa não existe para os poderosos, a verdade também não; não têm nenhuma dificuldade infringindo as leis dantes estabelecidas, criando obras que satisfazem suas demandas. Pelo contrário, precisam infringir a cada vez mais leis, para afastar-se a cada vez mais de qualquer barreira que lhes recorde sua condição mortal"

Um saúdo
Tere

Elza Herminia Sabino Mendes Elzaherminia
Odontologia universidade de uberaba
Escrito por Elza Herminia Sabino Mendes Elzaherminia
el 15/06/2010

Oi Tere, antes obrigada por sua participação em meu debate. É impressionante este artigo que encontrou. Impressiona e assusta. É tão gritante aqui no Brasil a impunidade aos politicos, chega a enojar, minha amiga. Tripudiam, riem das leis quando são flagrados. Brincam com as leis como se estas nunca fossem feitas para eles. E o que me assusta é ver a passividade da população ante tanta degradação no mundo político sobretudo. Uma corrupção explícita e não punida. E se elegem... Não posso compreender. O povo parece cego e anda às cegas. Realmente parece que é uma perversidade que contagia quem se aproxima, Tere. Temos tantos casos de corrupção política aqui e muitos tem sido descobertos mas poucos, muito poucos punidos. E creio que isto incentiva a continuidade desta coisa perversa e desumana. Trabalho com pessoas muito muito pobres. Em uma cidade pequena no Estado de Alagoas. Aqui não temos empregos. Não temos índustrias para empregar gente. Não tem como esta gente sobreviver. Então são sustentados pelo governo por uma bolsa-escola, bolsa-familia, bolsa-gestante e não sei mais quantas bolsas vão criar para ganhar mais votos. Só que estas ações não tiram esta população em muitas do país do patamar de pobreza. Mata a fome momentaneamente. E depois? Precisam ter trabalho, ter renda. Não esmola, eu penso. E de certa forma, isto acostuma a população a não trabalhar. Quando se oferece emprego, muitas vezes não querem. Vão perder as bolsas. Então é melhor ficar quieto em suas casas recebendo do governo o que acreditam ser fundamental. É triste esta realidade, Tere. Vejo muitos deitados à porta das casas dos prefeitos à espera de algum trocado. E estes votam. Não creio que esta politica assistencialista seja a ideal para tirar a população da pobreza. Mas não sei também ainda como criar estratégias para proporcionar renda. É uma situação de difícil solução, mas não impossível. Grande abraço e grata por sua parcipação

Tere (tana) C. De Gutierrez
Profesorado de historia 3er año carre...
Escrito por Tere (tana) C. De Gutierrez
el 15/06/2010

Oi Elza Tenho leido teu comentário, espero entendas-me o que te escrevo porque sou Argentina, mas amo teu país e estou a fazer um curso de portugues, por isso tento escrever em tua língua. Todo o que passa em teu país também passa no mio sobretudo na capital onde há mas desocupados, eu vivo numa zona que é fronteira com o Paraguai e o Brasil. Aqui em Argentina também existem os planos trabalhar onde o governo dá salários aos desocupados e nem sequer podemos conseguir alguém que queira trabalhar no serviço domestico. Acho que custa muito procurar uma solução, mas poder-se-ia por exemplo encontrar pessoas que ensinem oficios, porque o que faz falta é mão de obra, Não se em teu país, mas aqui não há carpiteros, zapateros, pedreiros, e penso que ensinando um oficio a quem não tem pelo menos dar-se-lhe-ia uma oportunidade de sobreviver. Aqui em Missões já se está a implementar isso. Também o governo de minha cidade está a começar a ajudar a todo o que empreenda uma pequena empresa. Um abraço

Tere

Esteban Zambrano
Ingeniería electrónica s...
Escrito por Esteban Zambrano
el 24/06/2010

Apreciados todos, para que esto cambie lo primero que tenemos que hacer es cambiar los cimientos, es decir la educación de calidad y pertinente en la primera infancia es fundamental. Otro tema que es necesario es que la justicia sea aplicada por las personas más idóneas y justas. Les pregunto, ¿Ustedes no conocen muchas personas que generan confianza? Seguramente la respuesta es sí.

Hay otras situaciones en la parte política que disminuyen la posibilidad de equivocarnos en la escogencia de nuestros líderes. Es ver su pasado, ver cuales medios está utilizando para hacer la campaña- dinero, maquinaria politiquera-mentiras etc. , de quién está rodeado, cuáles son sus propuestas ,.

Yo aconsejo que para cambiar muchas cosas lo primero que tenemos que hacer es organizarnos y montar centros de deliberación, seguramente allí conocerán personas con las que empiecen a construir confianza. La perseverancia es fundamental para no decaer ya que seguramente serán más las decepciones que los aciertos. Pero debemos comenzar a generar empoderamiento de nuestros ciudadanos.

Un abrazo,

Esteban

Elza Herminia Sabino Mendes Elzaherminia
Odontologia universidade de uberaba
Escrito por Elza Herminia Sabino Mendes Elzaherminia
el 24/06/2010

Grata por sua participação Esteban! Sabemos que as bases da educação são fundamentais para ter um cidadão capaz de fazer boas escolhas, tomar decisões relevantes e transformar omeio em que vive. Mas o que vemos é muito diferente. Olhe as reportagens de Alagoas, no Brasil. Moro em Alagoas. Algumas das cidadezinhas foram dizimadas, dstruídas totalmente. Nada diferente de muitas guerras que assistimos, de uma Etiópia que já choramos ao ver as imagens na TV... E no meio de tanta pobreza ainda assistimos os políticos disputando quem vai aparecer mais porque as eleições se aproximam. E estes pobres coitados não vão olhar e nem sabem escolher quem é o de melhor carater. Vão escolher quem lhes der imediato abrigo, comida, assistência. E isso eles têm dinheiro seja da máquina política, seja de outras fontes menos dignas, e de repente... Estão lá. Decidindo nossas vidas no plenário da Cãmara. Grata Esteban, grata.